Projeto elaborado e realizado por

Dra Jane Elizabeth Kraus (kraus@usp.br)

&

Juliana Pisaneschi (jupisa@ib.usp.br)

 


 

Material e métodos

Equipe de trabalho e agradecimentos

Bibliografia

Financiamento


Material e Métodos

Para a confecção deste pequeno atlas, as plantas foram selecionados segundo a facilidade de obtenção. Optou-se pelo preparo de lâminas histológicas temporárias com cortes histológicos realizados à mão. Estas lâminas podem ser facilmente preparadas pelos alunos nos cursos de Botânica.

Monocotiledôneas

Raiz: orquídea (Epidendrum fulgens, Orchidaceae)
Caule: lírio amarelo (Hemerocallis flava, Liliaceae)
Folha: capim-limão (Cymbopogon citratus, Poaceae)

Dicotiledôneas

Raiz: moranguinho silvestre (Rubus rosaefolius, Rosaceae)
Caule: mamona (Ricinus communis, Euphorbiaceae)
Folha: café (Coffea arabica, Rubiaceae)

a) Conservação do material botânico

Após a coleta, foram separadas as raízes, os caules e as folhas. Quando necessário, estes órgãos foram cortados em porções menores e colocados em frascos de contendo álcool etílico a 70% para sua conservação.

b) Fragmentação da amostra

Os órgãos cilíndricos como raízes e caules foram secionados em fragmentos com cerca de 2-4 cm de comprimento da porção a ser estudada. Para as folhas, retirou-se um fragmento quadrangular (0,5 cm de lado) do limbo foliar, contendo a nervura de maior calibre, em região correspondente à metade do comprimento da lâmina foliar.

c) Obtenção dos cortes histológicos

No caso de materiais moles ou muito pequenos foi necessário o uso de um suporte para facilitar o secionamento. O fragmento da planta foi colocado entre duas porções de medula do pecíolo de embaúba ou isopor. Desse fragmento foram obtidos cortes histológicos transversais à mão, com auxílio de lâmina de barbear. Os cortes foram colocados em um vidro de relógio contendo água.

d) Clarificação dos cortes histológicos

Por meio de um pincel fino, os cortes histológicos foram transferidos para outro vidro de relógio contendo água sanitária a 50%, até ficarem esbranquiçados (3 a 5 min, dependendo do material). A água sanitária foi retirada com uma pipeta Pasteur e os cortes foram lavados cuidadosamente por 2-3 vezes com água, até a eliminação total do odor da água sanitária.

e) Coloração dos cortes histológicos

Os cortes foram transferidos com pincel para outro vidro de relógio, gotejando-se a mistura dos corantes azul de astra a 1% e safranina a 1%, na proporção de 9:1 (v/v), até cobri-los. A coloração do material foi obtida após alguns segundos ou minutos (tempo variável, dependendo do material) para a coloração do material. Com auxílio do pincel, estes foram transferidos para outro vidro de relógio contendo água, sendo lavados por 2 a 3 vezes para a retirada do excesso de corante.

f) Montagem das lâminas

Os cortes foram colocados em uma lâmina histológica contendo gotas de glicerina 50%. Cobriu-se com lamínula, a qual foi vedada passando-se uma camada de esmalte de unha incolor nas bordas.

g) Fotomicrografias

O material histológico foi fotomicrografado com filme colorido (ASA100) e uso de filtro azul.

h) Esquemas

Os esquemas foram feitos com base nos cortes histológicos em microscópio de projeção.

i) Escaneamento das fotomicrografias e esquemas

As melhores fotomicrografias e os esquemas foram selecionados, e escaneados em scaner de mesa.

h) Construção das páginas em HTML

Cada uma das imagens escaneadas foi duplicada e uma das cópias foi levemente modificada com o Paint Shop Pro (Jascon Inc.). Essas duas imagens foram sobrepostas em um applet, em linguagem JavaScript. Para a estruturação em HTML, foi utilizado um editor de texto simples (Notepad).


 

EQUIPE DE TRABALHO

Construção das páginas:

Juliana Pisaneschi (Responsável)
Gustavo Beolchi

Esquemas:

Makoto Tanoue

Fotomicrografias:

Jane Elizabeth Kraus

Preparações histológicas:

Adriano M. de Castro
Cláudia Vecchi (Responsável)
Delmira da Costa e Silva
Patricia Borges Pita

Redação dos conceitos:

Jane Elizabeth Kraus

 

 

AGRADECIMENTOS

 

Claudia Bozzo

Daniel Germano

Daniel Lobato Duclós

Eduardo Ascenço Reis

Ernst Weber

George Uemura

Instituto de Biociências


BIBLIOGRAFIA

 

CUTTER, E. G. 1978. Plant Anatomy: cells and tissues, 2a ed., Edward Arnold Ltd.,London, 315 p.

 

CUTTER, E. G. 1980. Plant Anatomy: experiment and interpretation, Edward Arnold Ltd., East Kilbride, 343 p.

 

ESAU, K. 1974. Anatomia das plantas com sementes. Ed. Blücher Ltda, São Paulo, 293p.

 

GEMTCHÚJNICOV, I. D. 1976. Manual de taxonomia vegetal: plantas agrícolas, ornamentais e medicinais. Ed. Agronômica Ceres, São Paulo, 368 p.

 

FAHN, A. 1990. Plant Anatomy, 4a ed., Pergamon Press, Oxford, 587 p.

 

KRAUS, J. E., RECHULKI, R. K. & MARCHINI, S. 1994. Guia para o jardim do Departamento de Botânica do Instituto de Biociências, Instituto de Biociências da USP, São Paulo, 57 p.

 

KRAUS, J. E. & ARDUIN, M. 1997. Manual básico de métodos em morfologia vegetal, EDUR, Seropédica, 198 p.

 

MAUSETH, J. D. 1991. Botany: an introduction to plant biology, Saunders College, Philadelphia, 800 p.

 

MAUSETH, J. D. 1988. Plant anatomy, The Benjamin/Cummings Publish. Co, Menlo Park, 560 p.

 

RAMALHO, J. A. 1997. HTML Avançado versão 3.2, Makron Books, São Paulo, 659 p.

 

RAVEN, P. H., EVERT, R. F. & EICHORN, S. E. 1996. Biologia vegetal, 5a ed., Ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 728 p.

 

SCAVONE, O. & PANIZZA, S. 1980. Plantas tóxicas, CODAC-USP, São Paulo, 110 p.

 

THOMAS, M. D., 1997. Programando em Java para a Internet, Makron Books, São Paulo, 665 p.


FINANCIAMENTO

Pró-Reitoria de Graduação

Pró-Reitoria de Pós-Graduação


[Home]Home

atlasveg@ib.usp.br
Última atualização em 13/10/98